01 março 2012

MINHA PRIMEIRA VEZ


Com certeza a primeira vez a gente nunca esquece, depois de tanta dor que se sente na hora fica difícil de esquecer mesmo!

 Minha primeira vez como passivo foi com um amigo meu, sempre ouvia histórias de que ele comia os garotinhos do bairro, e como ele é de bom agrado, resumindo “gotoso” queria poder experimentar, um dia o chamei para ficarmos conversando na escada de sua casa, e lá estávamos, "ele sem imaginar o que eu queria com ele”, logo comecei a puxar assuntos de histórias que ouvi sobre ele, na hora ele dizia que tinha feito na época que era criança, com isso perdi a vergonha e coloquei a mão no seu pau, ele meio desesperado tira minha mão dele e diz que não rola, logo eu desci as escadas e fico chamando ele, dizendo que era rapidinho, que só queria chupar, logo ele vem, de pau duro sentado na escada me faz abocanha aquele pau imenso, ele era mais velho que eu então tinha experiência.

  Logo ele me sugere que fossemos a garagem, que ficava na parte de cima, dando saída pra rua, fomos então, ele disse pra eu esperar lá e que ele já voltaria, ele foi, entrou na sua casa, mas foi só pra certificar que sua mãe não estava logo veio e ficamos, sem muita cerimonia, ele se ajoelhou e eu já de quatro sem imaginar o que ia acontecer. Devagar ele se aproxima e me penetra, com cuidado, mas não adiantou, a dor era insuportável que me levantei na hora, se não estivesse com tesão teria ido embora, pois ardia muito, minutos depois tentamos outra vez, ai o tesão já estava na cabeça como bebida e fez com que não sentisse nada, com isso gemia e ele me pedia pra ficar quieto, pois estávamos quase na beirada da rua e alguém podia ouvir, ele não chegou a gozar, e duraram só uns minutinhos, só foi mesmo pra perde o selinho da bunda.

Nos arriscamos um pouco, pois tínhamos transado sem preservativo, até mesmo depois que fui embora, fiquei arrependido de ter feito isso, com medo, paranóia mesmo, mas com o tempo à vontade voltava e eu retornava a casa dele, onde por várias vezes ficávamos na sala vendo seus filmes pornôs comigo chupando ele. Pena que isso tudo acabou, ele sofreu um acidente há uns anos atrás e acabou falecendo, depois de sua morte que comecei a dar valor nos sentimentos, que comecei a dar valor nele, me senti arrependido de procurar somente para sexo, ele era mais que isso.

MASTURBAÇÃO (MINHA PRIMEIRA GOZADA)


Punheta, quem diria que uma coisa tão gostosa dessa entraria na minha vida de uma forma inesperada. Ainda não tinha estreado na punheta, me lembro de minha irmã me dizendo.

– Já está na hora de você ir para o banheiro e tocar punheta.

 Na hora minha cara ficava vermelha de tanta vergonha, eu não sabia o que era isso, mas tinha a certeza de que era uma coisa voltada ao sexo.

Minha primeira gozada foi uma coisa que não estava esperando, como nem sabia o que era gozo não podia esperar que saísse mesmo né! Estava sentando no sofá, normal vendo TV sem nenhum pensamento devasso, foi quando acabei pressionando meu pau, sem nada em mente, apenas apertando ele, foi quando do nada, comecei a virar os olhos e minha mão começasse por conta própria forçar meu pau para que aquilo que estava sentindo aumentasse, foi daí que em menos de alguns segundos veio o gozo, foi uma coisa gostosa, um sentimento de tranquilidade, relaxantes coisa maravilhosa de se sentir. Logo em seguida percebi que estava vazando algo pelo meu pau, como tinha a cabeça coberta deu para o sentir passando pelo biquinho que forma na ponta da cabeça e caindo na cueca, eu assustado fui correndo para o banheiro. O que é isso? Uma coisa branca, grossa escorrendo pelo meu cacete, não sabia que aquilo que estava jogando no vaso era minha primeira remessa de esperma (porra em todo caso). Bom, sem entender, me vesti novamente e voltei a minha rotina, só o que eu não sabia é que aquele sentimento de êxtase, de prazer, era uma coisa que viciava e em todo o momento eu ia para o quarto e ficava tentado sentir à puta excitação que senti.

Sei não, mas depois disso devo ter gozado umas seis vezes logo de cara, pois era gostoso sentir o esperma saindo do pinto junto com uma excitação que me deixava relaxado, até então não sabia que tinha que usar as mãos para tocar punheta, então à forma que eu extraia meu “leite” era deitado de pau duro e com ele pra fora (ou na cueca mesmo) esfregava ele na cama, não demorava nem 2 minutos e já estava gozando dessa forma inusitada.

Eu achava que fazendo isso estaria agindo errado, e correndo o risco de me contaminar (daí se tira uma ideia de que não fui bem estruído sobre o assunto), depois que tive uma pequena noção de sexo (quase nada) e doenças sexualmente transmissível (o que me assustou ao ver imagens de DST), comecei a achar que me masturbando estava correndo o risco de contrair algo, e isso me assustava, mesmo não tendo comido nenhum cuzinho ou alguma buceta, eu achava que já podia estar contaminado. Nada mais nada menos que sete, eram na faixa de sete vezes por dia que eu me masturbava, chegava a fazer promessas que não iria fazer mais isso, só por causa do medo de pegar algo.

Muita inocência da minha parte né?

Com o tempo, isso mudou, comecei a ver filmes pornôs, ainda não usava as mãos como dispositivo de extração de porra, mas aí já me divertia. Bom, quem nunca ficava a madrugada acordado assistindo aos sábados a famosa Emmanuelle, eu sim, ficava fascinado ao ver aquelas putas dando às vezes para vários caras diferentes no filme, eram horas bem gastas vendo e me masturbando com aqueles músculos e gemidos fortes dos caras fudendo aquelas meninas.

 Fique por dentro sobre meu livro. Link: “O Diário Quase Secreto De Um Garoto de Programa” e saiba como fiz para me tornar garoto de programa e alcançar os melhores clientes.


Anterior Proxima Página inicial