sábado, 30 de junho de 2012

CALOTEIRO: NÃO TÔ FAZENDO CARIDADES, USOU? ENTÃO PAGUE!

A maior parte das pessoas que procuram um garoto de programa é pra compensar alguma coisa que não tenha em casa, desde um simples abraço até mesmo algo diferente na cama, conheci pessoas casadas há anos que afirmam após o terceiro ano juntos que as coisas começam a mudar e cair na rotina e quando isso acontece sempre tem um que acha que pode mudar isso pulando a cerca e achando que assim será feliz sem que o outro saiba, mal sabe ele que o outro não sendo bobo também está pulando a cerca e visitando o vizinho. Uma coisa que nunca estipulei foi o tempo dos programas, por mais que eu dissesse que era apenas uma hora de programa nunca durava esse tempo certinho e acabava se estendendo às vezes por três horas seguidas, acho até melhor, pois em uma hora nem sempre pode fazer tudo o que quer e sem contar que na maioria das vezes as pessoas chegam sempre tímidas e querendo conversar para relaxar, e essa conversa acaba levando uma hora certinha, e daí como ficaria, teria de pagar mais um programa pelo fato do cliente ser tímido e ter que acontecer uma longa conversa para se sentir bem? Às vezes me enche o saco passar tanto tempo assim com alguém, mas quando a pessoa é nova no assunto e que nunca tenha saído com um GP antes vale a pena ser gentil e ficar tempo suficiente até que se sinta bem para o programa.
O cliente de hoje não foi diferente, ele por telefone afirma querer conversar e diz ser sua primeira vez nessa situação, casado a mais de oito anos resolveu fugir dessa rotina que o prendia a seu esposo e cair na farra, já que seu marido fazia a mesma coisa escondido. Ele chega meio nervoso, começamos uma conversa onde ele queria saber todo o esquema do programa e como funciona a vida de um profissional do sexo, comentei detalhadamente pela milésima vez minha vida, não sei quantas vezes já contei essa história e ele por sua vez desabafou falando de seu relacionamento, teve momentos em que o assunto acabava e minha língua com calos de tanto falar e ele ainda nervoso com a situação de sair com outro pela primeira vez me pede que continue falando para não ficar sem graça, inventei assuntos e estendi por mais tempo nossa conversa.
Quando não teve mais jeito eu me deito ao seu lado e assim continuamos a conversa, só que desta vez peguei em sua mão que estava gelada e comecei a alisá-la, pouco a pouco ele foi se soltando e mostrando ser um cara carinhoso e com falta de carinho que o maridão em casa não dava essa coisa de chegar e sair arrancando a roupa não é pra qualquer um, nem todo mundo acha uma coisa legal, pois sempre tem aqueles que preferem carícias e um carinho todo especial na hora do sexo, o que ele não tinha em casa com certeza dei a ele aqui comigo. Moreno corpo todo gostoso, acho que gostou quando comecei dando mordidas em sua orelha, apertando suas costas e terminando tudo lambendo seu cuzinho, ele era “fofinho” e com uma bunda grande me levava ao delírio, sua posição preferida era comigo entre suas pernas meio que de ladinho, assim podemos ficar de frente um para o outro enquanto nos abraçávamos comigo comendo seu cuzinho. Depois de muitas preliminares (fora a conversa) ele logo quer gozar, sugeri que antes eu o comesse na posição de quatro assim observo melhor toda sua bunda devorando meu pau e fazendo esconder dentro de seu rabo e nessa posição acabo o comendo. Bem baixinho dando gemidos ele acaba gozando de quatro, sujando todo o lençol de porra, como não iria aguentar mais eu socando depois disso ele me pede que goze em seu peito.
Depois ficamos abraçados na cama, com ele olhando pra minha cara me vendo quieto e me perguntando o porquê estava daquele jeito, eu simplesmente disse que estava descansando e que não estava pensando em nada, ele achou que esse silêncio era motivo de não ter gostado da transa, o que não foi verdade, pois foi muito bom comer sua bundinha.
O que não havia comentado a ele era que usei remédio antes de sair com ele, sendo nosso primeiro encontro eu queria fazer bonito e aguentar mais tempo, também não sabia se iria ficar excitado com ele mesmo tendo gostado de conversar via telefone, pessoalmente não sei se acabaria sendo a mesma coisa, pra não passar vergonha acabei tomando um “AZULZINHO” famoso que existe por aí, mas atenção, não é por que comigo não aconteceu nada que seria diferente com outro, cada um é cada um se não aconteceu nada de mal comigo não significa que com você será diferente, é sempre bom consultar médico nesses casos.
O final dessa história não acaba assim, tínhamos conversado por telefone e com certeza me recordo de comentar sobre meu preço, quando estávamos indo embora ele me pergunta num tom diferente.
 – Isso foi um programa?
Naquele momento eu achei que ele quisesse me ouvi dizer o seguinte
– Não, sendo nossa primeira vez fiz uma cortesia pra você.
 Acho que pelo clima que acabou rolando ele achou que eu não iria cobrar dele, no fim das contas ele acabou que não tinha o dinheiro pra me pagar, veio me ver na intenção de conversar e conhecer minha vida, a vida de um puto e não esperava que isso fosse acontecer na hora ele ficou “sem graça” e disse que era pra eu ir buscar o dinheiro com ele outro dia, ou seja, daqui a um mês quando ele estiver com a grana. Ele já estava mal intencionado se não tinha a grana por que ligar pra um GP, somente saber sobre a vida dele não foi, pois se não ele não iria ter trepado comigo. Se fosse outro tenho certeza que arrumaria confusão por não ter o dinheiro e chamaria a polícia ou até mesmo pegaria o celular como pagamento até ele dar o dinheiro, ele ficou com medo, pois era casado e não podia se envolver em escândalos, pra mim foda-se eu quero meu pagamento.
Se em tal dia ele não cumprir com o que prometeu, pode apostar que seu marido irá saber de tudo e fora que seu telefone estará sendo divulgando aqui, assim a vergonha será maior. Já sim saí com muita gente sem cobrar, mas isso era na época em que não fazia programa, hoje em dia a situação mudou e o que fez pensar que não cobraria dele? Eu também não sei.

2 comentários:

Fala que eu te escuto