30 maio 2013

PROCURO UM MOTIVO...



Tem pessoas me perguntando se deixar de fazer programa seria algo fácil para mim. Eu sempre digo que sim, seria algo fácil por eu não ser totalmente dependente do sexo e de toda a facilidade ($$$) que ganho através dele. Não sou tarado, apesar de todos os dias me masturbar várias vezes e isso mesmo depois de sair com algum cliente. Então, no caso se eu tiver a vontade de fazer algo, usarei minhas mãos, pois tenho certeza de que será melhor do que sair com alguém que não vai me fazer gozar ou não me dar tesão.

O dia dos namorados está chegando, vocês não tem ideia da vontade que eu tenho de estar com alguém nesta data, que sempre passei sozinho. Vontade de comemorar e até dar presentes, sendo que nesta data às únicas pessoas de quem eu ganhava as coisas eram de meus clientes, que sempre me traziam chocolates no dia.

Será que em menos de um mês, eu consigo arrumar alguém?

P.S: me refiro a alguém, mas para namoro e não sexo! Eu já não sei se vou ou se fico, amanhã posso dizer que não quero relacionamento, só que hoje, penso que estou sim, muito a fim de namorar. Por favor, não façam como meu "amigo" do bairro Cidade Alegria, que se empolgou com a minha última declaração, quando eu estava intencionado em namoro, ele me veio dizendo estar a fim de caso sério e me procurou, querendo sair e passar a noite comigo, já que ele também estava a fim de namoro. Acha mesmo que eu iria cair num papinho besta desse?

#UmNamoradoParaHiago

Homem ou mulher? Tanto faz, o importante é eu ser feliz! Mas se for homem, melhor. Acho que a afinidade é intensa nesses casos.



 

29 maio 2013

COISAS QUE QUERO FAZER ANTES DOS 30: MORAR NO RIO



 
 
Sinto uma enorme inveja dos cariocas poderem estar saindo de seus trabalhos e logo de cara, cair numa praia sem pensar em nada. Sempre me imagino nesta situação, de estar saindo de qualquer emprego e indo a caminho de uma praia, com tempo de sobra para ver o sol se por. Sempre que vejo imagens, fotos ou qualquer outra coisa que mostre o Rio, me vem o desejo de rapidamente realizar o que sempre quis, que é morar nesta cidade maravilhosa.
 
 

MEU ERRO FOI...


Bom dia.

São 01:16 da manhã e estou aqui em mais um desabafo.

Eu assumo que me precipitei ao achar e comentar que uma pessoa estava fazendo o favor de aumentar um comentário sobre coisas pessoais minha. No momento em que soube da situação, fiquei irritado e acabei julgando sem saber ao certo de toda a história ou saber ao certo, quem é a pessoa que eu estava criticando. Ela é alguém agitada, em mais de uma hora de conversa que chegamos a ter, vi que ela é alguém sozinha e que gosta de falar, uma pessoa boa, que me fez sentir um enorme arrependimento por ter dito coisas ruins sobre ela aqui. Às vezes ela exagera e acaba comentando demais, mas não é por maldade.
Me fez lembrar do dia em que trabalhei numa fábrica, há muitos anos atrás, em minha antiga cidade e eu ainda menor de idade. Com o grupo que eu estava, acabava comentando situações que eu tinha ouvido falar, só que não era por maldade e menos ainda a fim de me promover e chamar a atenção por ser alguém “informado”, eram situações na qual eu comentava sem pensar, quando via, já tinha saído da minha boca e a fofoca estava feita.

Só estou aqui para comparar um erro que fiz, de criticar e acusar alguém que apenas necessita de um pouco mais de atenção. Fiquei feliz quando ela me procurou, queria conversar e acabou revelando coisas bem íntimas, muito íntimas!! Juro, fiquei com vergonha das coisas que ela me disse. Tomou um pouquinho do meu tempo, estava cansado, mas valeu a pena.


24 maio 2013

VIDA COMPARTILHADA...



Quando eu decidi tornar a minha vida pública, não imaginava que seria algo tão irritante. Não o fato de todos darem seus comentários sobre o que faço, mas sim, compartilhar momentos que são pessoais e que prefiro manter em segredo. O mal de dar liberdade aos outros, é que eles sempre vão achar que podem fazer o que bem entendem com a vida da gente, até mesmo inventar situações que não aconteceram.

O que me incomoda nas pessoas, principalmente se for do meio GLS, é quando começam a compartilhar minha vida de forma negativa ou que possa envolver uma terceira pessoa, sendo ela ou não meu cliente. Conheci uma mulher que não é minha melhor amiga, é alguém que cumprimento sempre que a vejo, mas nada de mais. Temos um amigo em comum, alguém que já tive contatos bem íntimos na cama, e ele por várias vezes queria que eu entregasse meus clientes, principalmente um rapaz que conhecemos e ele na curiosidade, estava a fim de saber se tinha ou não rolado algo. Sabe quando a pessoa não tem vergonha na cara e na falta do que fazer fica aumentando as coisas em grupos de amigos, só para esquentar o assunto? Ele agiu assim, comentou com esta mulher e com pessoas que não são meus amigos sobre meu envolvimento com alguém que ele desconfia que eu tenha ficado. A tal mulher que também gosta de uma fofoca, me procura querendo saber se realmente eu tive um envolvimento com tal pessoa, e aí, a história se espalha e eles começam a arrumar clientes para mim sem eu saber.

Não é por que eu tenha tido uma afinidade com alguém que eu tenha ficado, que por isso vou ser “amiguinho” e falar quem são as pessoas que mantenho contato. Isso é algo que não chega a ser do interesse de quem esteja curioso, ou seja, quero dizer que não te interessa saber!

Me fez lembrar de situações em que eu estava namorando e quando comentava sobre meus relacionamentos passados, a pessoa fazia questão de ir atrás, saber quem era a pessoa e até mesmo ter relação com quem eu cheguei a ficar. Só para saber o que tinha de especial e que eu dizia tanto. O mal do gay, e que chega a ser algo que fica feio pra quem faz, é quando tem um relacionamento com alguém, pega todas as informações e no fim, quando termina e começa um novo caso com outro, diz tudo o que sabe. É desta forma que todo mundo fica sabendo da vida de todos. Muita coisa que eu já disse, foi usada contra mim, de pessoas que eu namorava e confiava, em momentos de raiva resolveram me jogar na cara, me ameaçando de contar ou como se dissesse, “eu sei o que você fez no verão passado”.

Será que ele por ter começado o assunto, se sentiria bem se eu falasse quem ele é, onde trabalha e o que fizemos na cama? (coisas que eu não tinha dito sobre ele).

Experimentando o próprio veneno:

Ele é alguém que trabalha em comércio, não chega a ser um modelo de discrição, pois qualquer um que o vê passando na rua, sabe que ele é gay. Um pouco carente, se apega fácil e pelo jeito quando recebe um não como resposta, ataca a pessoa espalhando boatos ou alimentando a imaginação de pessoas com futuros clientes que eu poderia ter tido. O encontro diariamente, o cumprimento educadamente, mas sexo, nunca mais. Ele tem um pinto grande, demora a gozar, mas quando goza é com fartura. Pelo menos qualidades ele tem.

Não beija bem, tem a boca grande (e a língua também), o que pra mim não chega a ser muito sexy (por isso não curto a minha, mas há quem goste), pois o desencontro dos beijos era frequente. É chato, pegajoso e a todo o momento que me encontrava, jurava que estava me namorando, me cobrando de sair tarde na rua e de manter o blog (???). Sempre me cumprimentava com um selinho na boca, ele jurava que eu me excitava com isso. Teve um dia que ele me deu uma lambida no rosto, minha vontade foi de meter a mão na cara dele, pois passei o resto da noite com o fedor de saliva misturado com cigarro impregnado no meu nariz!!!! E olha que lavei o rosto.

Ele ficou incomodado por eu usar roupas de marca, quando na verdade é apenas um modo de me vestir, o que não tem importância pra mim. Na verdade, nem sei o porquê ele se incomodava com isso. Ele agora está de namorado. O coitado deve estar passando um sufoco enorme, pois este cara é muito chato. Provavelmente, deve ser mais chato que ele!
 
 

21 maio 2013

A VIDA QUE IMITA A "ARTE"...



Não é novidade que a Tv influencia e muito na vida da pessoa, serve tanto para passar informação ou atrapalhar a vida de alguém, ensinando coisas erradas aquelas crianças que ficam assistindo.

Estou presenciando uma situação de uma criança de 13 anos, viciada na porcaria da minissérie Malhação, que resolve fazer e armar das mesmas situações para conseguir alcançar seus objetivos. Na Malhação, as histórias são sempre as mesmas: uma menina que gosta do garoto, e aparece outra para atrapalhar. No fim, a novela ensina a segurar o homem furando a camisinha, engravidando, perdendo a virgindade com ele e por aí vai.

Soube de um caso de pessoas bem próximas a mim, desta criança, que resolveu ter uma relação com um cara bem mais velho, no caso, da minha idade, 25 anos e que após a relação ela guardou a camisinha com a porra, na intenção de introduzir nela mesmo e engravidar. Adivinha de onde ela tirou isso? Não vou negar que na época eu era apaixonado pela minissérie, mas hoje, nem ligo a Tv quando está passando esta merda.

Pior que não são apenas crianças que entram neste mundo de fantasia achando ser real, tive uma amiga que fantasiava muitas situações em função da novela, se na novela falava sobre um milionário procurando a menina pobre, ela dia seguinte falava a mesma coisa, só que voltada para ela, dizendo ter sido procurada por alguém rico. Por muito tempo ela chegou a viver aquilo que as novelas diziam, e acabou sozinha, pois ninguém a suportava mais. Agora, uma criança se sentir bem com os ensinamentos que a Tv passa, não acho certo. Chega a ser pior do que aprender a fazer bombas pela internet, o que a facilidade é muito grande, também.

Estou revoltado com a situação, principalmente por ser alguém que eu conheço!!!!


19 maio 2013

JOÃO LOUCO (QUE EU AMO)...



Entre a leitura de um livro ou site, prefiro muito mais um livro, pelo menos o esforço com minha vista é menor. Se eu não fosse o personagem Hiago e alguém tivesse me apresentado o blog “dele”, tenho certeza de que seria algo que não iria ler. Às vezes eu escrevo muito, tanto que chega a dar preguiça, mesmo assim tem pessoas que passam por aqui todos os dias me elogiando e me acompanhando. Às vezes me cobrando, querendo saber o porquê não escrevi no dia ou desabafando sobre algum assunto que eu tenha comentado.

Faz tempo quando recebi um e-mail de um rapaz de Teresópolis, falando de minhas performances no blog e que aos poucos foi o conhecendo. Na época quando me procurou, não achei que fosse ser alguém especial, imaginei que fosse só mais um que passa pelo meu blog conhecendo sobre minha vida, e que depois partiria sem deixar raízes. Mas ele, como os poucos com quem fiz amizade por aqui, mostrou que veio para ficar, me conquistando a cada dia com seu jeito meigo, preocupado e muito atencioso comigo. Todos os dias recebo e-mail ou ligação dele, alguém que está lendo meu blog desde a primeira postagem, então, imagine a situação de conhecer um site com mais de 500 postagens e ler todas sem se cansar? Só de imaginar já me dá tédio. Mesmo assim, ele se mantém fiel e já sabe de todas as coisas que gosto e não gosto. Seria um ótimo cliente, se não fosse meu grande amigo agora.

Quando ele me enviava e-mail com minhas primeiras postagens, e entre elas sua opinião, o chamava de louco (carinhosamente o chamo de, João Louco). Não acreditava que estava se aprofundando em meu diário. Tinha postagens tão antigas, que nem mesmo eu me lembrava delas, e ele me mandava de volta sempre com algum comentário e dessa forma, acabei me encantando com alguém que não tenho a menor ideia de como seja, mas que é muito especial para mim.

Do mesmo jeito que pra mim chega a ser estranho alguém me dizer: “sou seu fã, Hiago”, é muito mais estranho alguém que não me conhece dizer que se preocupa com situações que passo com meus clientes e com as demais pessoas que me encontro pelas ruas. Preocupação que me faz ter segurança, mesmo ele morando longe. Conheci muita gente de bom coração através do blog, mas são poucas que ficaram comigo, às vezes a culpa chega a ser minha, pela falta de atenção que tenho com os outros, mesmo assim nunca deixei de ler e reler os milhares de e-mails que me mandam. Me faz bem.

Ele, como eu já disse, provou que veio pra ficar e fazer parte da minha vida. Estou ansioso esperando a oportunidade de conhecê-lo pessoalmente, e espero que esse dia chegue logo. Enquanto isso fico aqui admirado com seus e-mails e sua voz ao telefone que me deixa fascinado a cada dia que passa.

Obrigado pelo carinho, João.  
 
 

E DIZEM QUE EU SOU LOUCO...



O convite foi meio inusitado e que me deixou com muito medo. Encontro-me com alguém mais que “maluco beleza”, falando coisas que faziam sentido e ao mesmo tempo, coisas que ficava com a interrogação no ar, sem saber o que exatamente ele estava querendo me passar. A parte boa do que ele me disse (não sei se é louco ou estava drogado) é para eu não dar tanto valor ao dinheiro e trabalho, e começou a dizer os motivos pelo qual acabei concordando.

Ele é do tipo roqueiro, e tem um pequeno defeito. Nos momentos de tédio, ele gosta de bater em travesti, e como hoje não tinha nenhuma buceta (como ele disse), sua vontade era de espancar um travesti. Comecei a ficar com medo quando tocava em assuntos de morte, dizendo que para “aliviar” um pouco a dor que estava sentindo (sua esposa o deixou) sentia a vontade de matá-la ou matar outra pessoa (será que por isso ele me chamou?). Não houve nada demais, ele não curte sexo com homens e queria apenas um papo, um “psicólogo” para conversar. Acabou sendo eu. Juro, já teve pessoas no meio da madrugada que chegou a me procurar logo após ter esfaqueado alguém ou algo assim, bem agressivo. Numa boa eu saía e me encontrava para ouvir o que tinha para me dizer. Às vezes quando falava: “me desculpe, mas preciso desabafar com você” me fazia sentir importante na hora, quando ia descobrir o problema, era algo que quase levava a morte de outra pessoa.

Não estava indo ao seu encontro para ocultação de cadáver ou coisa do tipo, e sim ouvir, ser amigo.
P.S: O assunto é longo, mas tô com muito sono, não tô conseguindo terminar de escrever.
Boa noite pra que fica, vou dormir.
 
 

17 maio 2013

TENTA ME FUDER QUE VOCÊ VAI JUNTO.




O contato direto com o público em meu local de trabalho me fez ser uma pessoa diferente. Fora meus clientes, nunca cheguei a trabalhar com pessoas, nunca tive de ficar num balcão atendendo e sendo educado com pessoas ignorantes. Pelo menos com meus clientes, caso eles me irritem, eu sem medo algum de que procure outro, os mando tomarem no c... Antes de trabalhar em comércio, eu tinha uma visão diferente das coisas e da forma de tratar os outros, depois de ter passado vergonha de ter sido seguido na loja Casa e Vídeo, onde na época eu andava simples e não tinha condições de comprar algo descente, comecei a ser bem “bruto” tempos depois. Não é nada agradável ser seguido numa loja por acharem que iremos roubar algo e isso, eles fizeram comigo. Assim que me mudei para Resende.

Quando comecei a ganhar dinheiro e a me vestir melhor, sempre quando entrava numa loja (principalmente as que me trataram mal) fazia questão de ser alguém totalmente mal educado, queria que vissem que estava numa situação melhor, e gastaria só pra ver que não iria roubar nada, como acharam eu faria. Por muitas vezes, sempre quando via alguma atendente com a cara fechada, eu fechava mais ainda a minha, mostrando que eu estava ali pagando.

“como da vez em que fui comer numa lanchonete com minha irmã e sobrinha, pedimos dois tipos de salgados diferentes para cada. A menina na maior má vontade coloca tudo num só prato. Eu na educação peço: “coloca em pratos diferentes, por favor,”?” ela ainda me pergunta: “pra que?” (???)”.

Depois que entrei em comércio, aprendi os motivos pelo qual uma pessoa fica com a cara emburrada, e muito mais coisas, inclusive a ser mais educado. Bom dia, boa tarde e boa noite.

Meu texto de hoje, é para relatar uma situação que vivi esses dias no meu serviço, em que uma cliente do estabelecimento queria me agredir e deixou recado dizendo que se não fosse do jeito que ela queria, iria me bater. Eu a atendi com toda a educação, como ela é cliente fixa, sabia quem era. Por ter acontecido um pequeno problema no cupom fiscal, peço a ela que dê a volta ao outro caixa e retire lá seu cupom. Ela se irrita e começa a gritar comigo dizendo que o estabelecimento estava fazendo propaganda enganosa (???) e um monte de coisas, foi aí que ela procurou a gerência e foi reclamar de mim, dizendo que se isso acontecer novamente iria me bater. Ok, passou.

Quando uma pessoa age dessa forma, o que passa na minha cabeça é que seria alguém importante, com um serviço bem superior ao meu. Gerente ou dono de alguma coisa, mas não. Hoje no que saio para ir até a Lotérica, quando olho o caixa do lado, quem eu vejo?? A própria, atendendo um cliente. A pessoa tem o mesmo serviço que o meu, que é trabalhar em comércio, no caixa e atender clientes, sabe muito bem como funciona o procedimento dos estabelecimentos e mesmo assim, sai de casa bancando a toda poderosa e dona da Petrobras? Na hora em que a vi, minha vontade foi de fazer o mesmo que ela me fez, falar com o gerente e reclamar que ela tinha sido bruta comigo e ainda por cima, ameaçar da mesma forma que fez comigo.Seria só pra provocar. Eu a trataria assim, para ela ver como é bom ser cliente e ter sempre "razão".

Na boa, ainda espero entender a mente desse povo podre onde acha que por ganhar mil reais por mês, o faz alguém rico ou de situação financeira classe A. Na próxima, se ela me atender, ela vai ter o que merece. Ah se vai!


09 maio 2013

É A PORRA DO BRASIL!


 
“Quer conhecer o caráter de um homem? Dê-lhe o poder.”
 
Um amigo passa mal e como todos que se sentem assim, procurou o hospital. Seus sintomas eram de tontura, risco maior para ele, que estava pilotando uma moto. No que chega ao hospital o médico diz: “filho, aqui a gente atende pessoas que levaram tiro, facadas ou coisas graves, no seu caso que não é algo de grave, deveria ter ido a outro lugar, numa UPA, por exemplo".
Como um médico pode dizer isso a um paciente que não estava se sentindo bem? Se ele estivesse atendendo algum paciente MUITO GRAVE na hora, eu até concordo, como da vez em que eu fui até lá, e no dia estava um cara que tinha se acidentado na Dutra, aí é outra coisa. Agora tá explicado o porquê da má vontade das vezes que estava indo me consultar, faltando quase me matar para me dar um motivo de ter ido. Então se eu estiver mal, pra ser atendido vou ter que tomar veneno ou enfiar uma faca no estômago? Vergonha isso, são pessoas assim que impede do Brasil ir pra frente.
Por isso que das vezes que me sinto mal, fico em casa, mas não vou ao hospital. Vou me sentir pior da mesma forma, então, fico em casa de uma vez.
Temos muito que comemorar o voto dos analfabetos que votaram em Dilma por ser mulher e acreditarem que seria uma forma de Lula continuar a sua presidência. Ainda vejo gente reclamando que o Tiririca é deputado, qual o problema?  Não vejo mal algum em ter um palhaço tomando posição em um lugar, onde todos nos fazem de palhaço.
 
 
 
 
Ainda bem que votei em branco! Vai confiar no homem, vai.


07 maio 2013

DEVIA TER COMPLICADO MENOS...


 
Estava pensando no meu pai, em nosso relacionamento como pai e filho, coisa que nuca teve entre a gente. Meu pai sempre foi distante, o que me incomodava e muito esta situação. Pouco antes de ele morrer, cheguei a vê-lo na cidade umas três vezes, e em todas elas, fingia que não o conhecia. Meu pai morreu sozinho, não sei se esse tipo de coisa chega a ser herdado pela genética (modo de dizer), mas não quero terminar assim, como ele terminou. É algo triste e hoje, sinto um pouco de remorso por isso.

Depois que saí de minha antiga cidade e vim pra cá, o vi andando pela rua algumas vezes, na época, minha mágoa ainda era grande, estava tentando ganhar a vida e ainda passando dificuldades, naquele momento eu o culpava por tudo de ruim que estava me acontecendo. Uma das vezes que o vi, foi:

Na rodoviária, quando estava entrando no posto de gasolina, na loja de conveniências, o vejo caminhando em minha direção, vi que ele me chamou, com um sorriso no rosto (coisa que nunca tinha visto) se dirigindo até mim. Naquele momento não queria reencontros, passei por ele direto, fingindo que não o conhecia.

Na segunda vez que o vi, foi depois de uns meses, estava passando pela rodoviária quando o vejo parado no ponto de ônibus, deduzi que estivesse indo até a casa de minha irmã, que mora em outro bairro. Mais uma vez, passo ao seu lado e ignoro.

A última foi quando eu havia dormido aqui em Campos Elíseos na casa de um cliente, de manhã teria de acordar bem cedo para trabalhar, na época, eu trabalhava em Barra Mansa e pegaria o táxi aqui perto do Guela Seca, junto com uma amiga que trabalhava comigo. Quando chego no ponto, minha amiga já estava lá e em poucos minutos chega o carro para nos pegar. Entro no carro e quando olho para frente, vejo meu pai, sentado em frente a um bar, não sei fazendo o que, não sei se perdido ou se teria passado a noite toda na rua, já que ônibus de nossa outra cidade pra Resende naquele horário não tinha. Foi uma cena triste, que até hoje me recordo sempre que passo em frente a este bar. Esta foi à última vez que o vi. Alguns anos depois, veio o falecimento.

Eu sempre o chamava de falso quando alguém me dizia: “vi seu pai, ele sempre pergunta de você, com uns olhos que chegam a brilhar”. Nunca me importei com isso, mas no fundo, desejava que fosse diferente. Não gosto de confusões, brigas ou desentendimentos, gosto de ser e ter pessoas próximas o resto de minha vida, discutir ou guardar rancor pra que? Nada disso vale a pena, mas em certos casos, precisa perder para se dar o valor. Não sei se isso que sinto é o valor pelo meu pai, só sei que se as coisas fossem de outro jeito, eu teria agradecido muito.

 
 
 
 
Não quero ter a vida que ele teve, não quero passar pelas mesmas coisas e ser como ele, por isso tenho meu próprio estilo, sem imitações, sendo algo que não gosto.




01 maio 2013

QUANTOS PRECISAM MORRER PARA QUE ALGUÉM TOME ALGUMA ATITUDE?



Um casal de São Paulo vive um drama pela segunda vez em seis anos. A perda de um filho para a violência. Da primeira vez, o filho mais velho foi morto numa briga. E ontem, o caçula, de vinte e nove anos foi assassinado por ladrões. Ele era dono de uma academia de ginástica.

Na academia de Fernando ficaram os avisos de luto e as informações para o velório. Foi lá que o empresário de 29 anos foi morto por assaltantes ontem à noite. Ele estava pegando a moto para ir embora quando foi rendido por dois assaltantes em outra moto. Os vizinhos ouviram o tiro.

A mulher conta que Fernando tinha medo de assalto e reforçou a segurança depois que os bandidos tentaram entrar na academia. Em janeiro, o empresário quase foi assaltado, também por criminosos de moto, que só não agiram porque passou um carro de polícia. A mulher conta que Fernando não conseguiu registrar queixa porque não chegou a acontecer nada. “Ele ficou muito bravo assim e o delegado falou: ‘olha, se você responder mais uma vez para mim, vou te prender por desacato porque não aconteceu nada’”. Agora eu vou para minha casa e eu tenho dois filhos pequenos. Segundo a polícia, todas as ocorrências policiais devem ser registradas, mesmo que seja apenas uma tentativa de assalto. Se a autoridade policial se recusar, a vítima deve procurar o delegado titular ou a corregedoria da Polícia Civil.

Fonte: Jornal Hoje

Eu achava que situações assim só aconteciam em cidades pequenas onde cretinos não estão se importando em fazer o que é certo para defender a gente, cidadão de bem. Vendo a matéria sobre o assassinato, lembrei do dia em que eu fui impedido de registrar um boletim de ocorrência no dia em que fui assaltado em Volta Redonda, eu estava tão nervoso com a situação que não sabia o que fazer a respeito, até que me aconselharam a registrar uma queixa. No que chego à delegacia, o responsável agiu na maior má vontade ao me ver confuso quando disse que “achava” que tinha sido assaltado, mas minha forma de expressão no momento não estava me referindo que eu tinha alguma dúvida, mas sim estava mal com o acontecimento que me fez ficar sem dinheiro que estava todo na carteira. O delegado ou responsável que faria meu boletim me disse: “vai pra casa, e quando você tiver certeza do que aconteceu aí sim você volta”. Duas meninas que trabalhavam na delegacia acharam graça da situação e começaram a debochar da minha cara na hora, duas cretinas que não souberam ser profissionais como este policial que nem ouvidos me deu.

Foi algo tão absurdo, que tive de retornar a Resende e registrar uma ocorrência aqui na cidade, até a menina que trabalhava na recepção estranhou eu ter demorado a registrar e quando disse a ela que o responsável agiu de má fé, ela disse que eu poderia tê-lo denunciado por isso. O registro não demorou nada, não tomaria muito o tempo daquele estrupício que me tratou mal.

Depois, um conhecido chegou a “pesquisar” e ver o que aconteceu, achando estranho um policial não ter registrado, e as meninas que trabalhavam na recepção de Volta Redonda, desmentiram a situação me deixando como mentiroso.

Por todos os lugares em que passei, cheguei a ver situações assim, onde policiais estão mais preocupados em se dar bem do que ajudar. Teve casos de policiais que sem medo algum dizem: “só não te bato, porque não cheirei ainda!” e sabe por que dizem essas coisas sem medo? Por que ninguém faz nada a respeito e o governo dá permissão para pessoas perturbadas como alguns deles usarem armas, distintivos e usar o nome da lei para prender pessoas por desacato! Bandido por aí é o que não falta, e mesmo assim, eles cismam em dar “geral” naquele trabalhador que está saindo ou indo para o trabalho. Aqui em Resende acontece muito isso.
 
 
Anterior Proxima Página inicial