domingo, 19 de maio de 2013

E DIZEM QUE EU SOU LOUCO...


O convite foi meio inusitado e que me deixou com muito medo. Encontro-me com alguém mais que “maluco beleza”, falando coisas que faziam sentido e ao mesmo tempo, coisas que ficava com a interrogação no ar, sem saber o que exatamente ele estava querendo me passar. A parte boa do que ele me disse (não sei se é louco ou estava drogado) é para eu não dar tanto valor ao dinheiro e trabalho, e começou a dizer os motivos pelo qual acabei concordando.

Ele é do tipo roqueiro, e tem um pequeno defeito. Nos momentos de tédio, ele gosta de bater em travesti, e como hoje não tinha nenhuma buceta (como ele disse), sua vontade era de espancar um travesti. Comecei a ficar com medo quando tocava em assuntos de morte, dizendo que para “aliviar” um pouco a dor que estava sentindo (sua esposa o deixou) sentia a vontade de matá-la ou matar outra pessoa (será que por isso ele me chamou?). Não houve nada demais, ele não curte sexo com homens e queria apenas um papo, um “psicólogo” para conversar. Acabou sendo eu. Juro, já teve pessoas no meio da madrugada que chegou a me procurar logo após ter esfaqueado alguém ou algo assim, bem agressivo. Numa boa eu saía e me encontrava para ouvir o que tinha para me dizer. Às vezes quando falava: “me desculpe, mas preciso desabafar com você” me fazia sentir importante na hora, quando ia descobrir o problema, era algo que quase levava a morte de outra pessoa.

Não estava indo ao seu encontro para ocultação de cadáver ou coisa do tipo, e sim ouvir, ser amigo.
P.S: O assunto é longo, mas tô com muito sono, não tô conseguindo terminar de escrever.
Boa noite pra que fica, vou dormir.
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fala que eu te escuto