sexta-feira, 29 de novembro de 2013

EU NO SITE "CURTE TUDO"

Boa tarde, amigos e leitores.

A cada dia que passa, recebo convites para entrevistas. Quem me conhece sabe, eu adoro aparecer e ser o "centro das atenções". Aqueles 15 minutos de fama que muita gente sonhou, não é mesmo? O site Curte Tudo fez um artigo muito bacana sobre mim, onde eu acabei me divertindo bastante recordando de alguns relatos que eu havia publicado no blog.

Com o título O diário quase secreto de um garoto de programa ,  ele resume de forma bem clara minha trajetória desde minha chegada a Resende até os dias de hoje. Confira! Clique >>Eu no site Curte Tudo <<

Obrigado a todos por me ajudarem a crescer cada dia um pouquinho. Obrigado a você, por me criticar e sempre me ofender achando que me prejudica, mas na verdade me ajuda.




Leia Mais ►

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

NOVA PÁGINA NO FACEBOOK



Resolvi fazer melhorias em minhas redes sociais. Resolvi criar uma nova página com o meu próprio nome. Acho justo. Espero que possam curtir e me acompanhar por lá, será um prazer.

Hiago Waldeck página no Facebook. 

Boa tarde. Logo mais eu volto.






Leia Mais ►

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

NOTA



As pessoas me criticam, porque criticar é a forma mais fácil de fazer melhor. Não me venham com comentários e papinhos absurdos pra cima de mim, não dou a mínima pro que dizem e pensam. Outra coisa, alguns precisam treinar mais suas desculpas quando vem de mentiras pra cima de mim. Nesse tempo que passei fazendo programa, conhecendo homens e casais, acabei aprendendo todas as desculpas que cada um dão para seus parceiros na hora de se encontrar comigo. Então, aos meus amigos, colegas e clientes que estão a fim de mentir pra mim na intenção de ganhar ou me fazer de bobo, vão ter que agir de forma bem melhor .

Você que acha que não vou ir longe, só digo uma coisa: me observe!

Boa noite #HiagoWaldeck


Leia Mais ►

sábado, 16 de novembro de 2013

FODA-SE!!

Eu estava com tudo preparado para comentar sobre minha semana "fodastica" com meus clientes, amigos e afins, mas algo chamou minha atenção e me fez mudar de ideia, a fim de comentar mais uma vez sobre o preconceito que rola na região.

Juca marca um encontro comigo. Por telefone, ele não esconde seus problemas de saúde e assume ser portador do HIV. Fiquei sem saber como reagir a isso, sem saber se vou ou não vou. Joguei limpo e disse que estava com receio, porque mesmo usando camisinha, pode, sim, acontecer acidentes indesejáveis. Ele diz que não preciso trepar com ele, que uns beijos estaria de bom agrado. Fecho o negócio com ele e combino o lugar que nos encontraríamos. Aí ele me revela que não queria ser visto comigo, por medo de ser mal falado na cidade. Juro, não entendi seu medo de ser visto andando com um garoto de programa na rua, sendo que ele, com HIV, pra mim não faria diferença de ser visto ou não comigo. O meu medo foi do contato sexual com ele e não de ser visto com um aidético na rua.

Se eu voltasse no tempo, na época em que passei necessidade e pedisse ajuda a estas pessoas que hoje me condena, será que eles me ajudariam? Criticar uma atitude de alguém que faz as coisas por necessidade é fácil. Não me envergonho de ser o que sou, porque foi isso que impediu que eu passasse fome. Estou cagando para a opinião das pessoas daqui, que se for de analisar bem, são pessoas com o passado bem mais negro que o meu, e hoje, aponta em mim defeitos que estão neles. Me criticar por fazer programas e ter a imagem "queimada" é fácil, mas e você, que vai para a balada e pega 6 na mesma noite, se acha melhor que eu por ter feito putaria e agido com promiscuidade sem cobrar nada? A pessoa que me critica, é a mesma que fez ponto na rua, a mesma que tem AIDS, a mesma que sofreu bullying  pelo seu jeito afeminado, mas mesmo assim, não satisfeito, quer deixar de ser o centro das atenções e falar mal de outros.

Racismo: Esta semana tive uma surpresa ao ver pessoas aqui na região com atitudes racistas. Na verdade não chega a ser surpresa, pois é algo que já espero de pessoas aqui. Com a modernidade nos aparelhos telefônicos, acabei conhecendo vários aplicativos de celular, incluindo o Zello, que funciona como se fosse um Rádio Nextel e você pode manter contatos com pessoas e grupos de todos os lugares. Adicionei um grupo de Volta Redonda e para a minha surpresa, me fez ter mais nojo das pessoas. Um dos usuários cria uma conta e coloca a foto de uma criança pequena e negra no perfil. Esta mesma pessoa ataca as outras com piadas e palavras de racismo, dizendo sentir nojo de quem é negro e afirmando que em Volta Redonda tem muitos "pretos" e que sentia pena por serem assim. Eu deixei o som deles ligado, pois achei ridículo o que eles estavam fazendo e, ouvir cada palavra de preconceito, foi bom para eu não me esquecer da raiva que sinto destas pessoas.
O que isso iria acrescentar na vida deles? Entrar num grupo com fotos de criança agindo com preconceito não o fez melhor que ninguém, que pela voz, percebia que se tratava de dois rapazes gays (falava muito mole) e crianças, pois falava e agia como tal.

Uma pessoa que defende o direito das outras, que defende quem realmente precisa, esta sim, eu sentiria vergonha se viesse me dizer algo, pois este tipo de pessoa são as que tem moral para falar das outras. Mas não fazem, pois estão cuidando de suas vidas.

Você que tem vergonha de andar com um garoto de programa ou até mesmo um negro na rua, saiba que em algum lugar, tem alguém com o mesmo pensamento que o seu sobre você, pois tenho certeza de que sendo gay, seu passado te condena tanto quanto o meu e isso não me faz melhor. O gay já sofre preconceito todos os dias, agora a porra de um viado com preconceito e vergonha de outro, é sacanagem. Na boa, tem momentos que sou a favor de tacar lâmpadas na cara de alguns! Ao invés de falar coisas na intenção de ajudar ou protestar contra estes otários que agem com preconceito, não, eles preferem atacar e falar mal de quem ganha a vida de uma forma honesta e sem prejudicar ninguém.


Leia Mais ►

terça-feira, 12 de novembro de 2013

RAPIDINHA...

Demorei, mas consegui buscar a camisa que ganhei de presente de aniversário! Fui à Volta Redonda na casa do Rei pegar meu presente e a cueca que esqueci desde a última vez que estive lá. Era domingo, dia tranquilo e se me lembro bem, eu estava com o meu apetite sexual em alta, mas muito enjoado por sair com pessoas que tem o mesmo perfil, sem nada de diferente. Tô me sentindo como se estivesse comendo arroz e feijão todos os dias. Preciso mudar algo.

Chego em Volta Redonda e fico esperando o ônibus para ir até a casa do Rei. Sendo dia de domingo, eles acabam sendo bem mais demorados, e como já estava ficando tarde, o jeito foi pegar um táxi. O taxista era muito louco, gente boa, mas corria muito e xingava todo mundo que dirigia de forma errada. No caminho ele foi me falando de sua vida, seus casamentos e puladas de cerca. Enfim, era apenas uma conversa normal. Chego ao meu destino e procuro o dinheiro para pagá-lo, e quem disse que eu encontrava a grana. Revirei minha carteira, bolsos e nada de eu achar, comecei a ficar sem graça e com medo de ele arrumar confusão achando que eu estava dando golpe. Não achei, sendo que tinha certeza de que estava com dinheiro na carteira. O taxista até que paciente, me diz: “e aí, o que você pode fazer por mim?” eu tento contornar a situação dizendo que poderia me levar em algum caixa eletrônico que pegava o dinheiro, mas ele diz não ter caixa ali por perto. Nisso ele começa a alisar o pinto por fora da calça e diz: “se você me chupar estamos quites”. Ele tira seu pinto pra fora e o jeito foi chupá-lo.
Lado Bom: Não foi problema algum fazer isso, pois ele era bonito e bem dotado. Fiquei muito excitado enquanto o chupava. Ele é paraibano, seu sotaque e forma máscula me deixava estimulado.
Lado Ruim: Minha mochila é pior do que bolsa de mulher, toda bagunçada e se encontra de tudo dentro dela. No que termino de fazer o “pagamento” nele, eu encontro o dinheiro jogado em um bolso da mochila junto com meu carregador e várias outras coisas perdidas.

Gente, que calor do cão! Nesta madrugada, parecia que eu estava dormindo de conchinha com o capeta, pois tava muito quente.

Boa noite...




Leia Mais ►

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

PESQUISA PARTICULAR - #HiagoWaldeck


Estava fazendo uma pesquisa, quase que uma “matéria” para uma suposta teoria dos nomes. É o seguinte. Muitos afirmam que, pessoas que levam o nome de Henrique ou até mesmo Paulo Henrique, são pessoas que não prestam, pessoas safadas, sabe? Andei pesquisando relacionamentos antigos e cheguei à conclusão de que, é verdade, o nome realmente faz a personalidade e quase que o caráter da pessoa (e que Henrique ou Paulo Henrique são pessoas psicopatas).
Andei com uma campanha no Twitter #EuNãoGostoDeMarcelo, por simplesmente ter conhecido vários "Marcelos" na vida e eles terem agido da mesma forma sacana e sem noção comigo. Um dia, um conhecido me apresentou um Marcelo, até brinquei com ele dizendo que chega de Marcelo, pois ele havia me apresentado, antes desse, um outro cara com o mesmo nome. Vamos aos fatos que me levaram a tirar estas conclusões.
 

Marcelo, pra que te quero?


O primeiro Marcelo:
Cara de bom coração, me ajudou muito quando precisei. No quesito boa pessoa, ele ganha. O problema foi quando começou de mentiras pra cima de mim, coisas que só descobria quando brigávamos (quase sempre) e sem querer ele revelava o que tinha feito ou aonde foi sem me avisar. Sendo que pra mim, dizia estar em casa.

O segundo Marcelo:
Jeitosinho, eu digo que ele é aquele feio arrumado, mas que gostava e muito dele na época em que fomos namorados (ficantes, sei lá). Aquilo que eu sempre digo: “quando falo estar apaixonado por alguém, pode ter certeza de que, a pessoa não presta”. Nunca tive sorte e pra piorar, tinha que se chamar Marcelo. Ele do nada sumiu da minha vida. Não atendia telefone e deixava desculpas prontas com sua família, caso eu ligasse para sua casa.

O terceiro Marcelo:
Este já é bem mais bonito, simples e do jeitinho que gosto. Desde nosso primeiro encontro, senti uma química boa, como se fosse algo que iria durar por muito tempo. Ele parecia interessado e a fim de estar comigo, mas com o tempo, ele foi dando “prioridades” a coisas na qual eu não estava envolvido. Começou com mentiras pequenas até chegar ao ponto de eu me estressar e ficar o tratando mal.

RESUMO: Percebeu a semelhança entre todos eles? Não?!? Todos sempre agiram da mesma forma, ou seja, sempre mentindo e arrumando desculpas para fazer outras coisas escondidos. Se o nome de Jesus tem poder, acho que Marcelo, Paulo e Henrique também têm a mesma influência. Mas de uma forma negativa.

Mas os “Paulos” também não ficam de fora nessa lista.


O primeiro Paulo:
Bonito, alto, branco e casado com uma mulher fantástica. Mas nas horas vagas ele não dispensa uma pulada de cerca, sempre levando camisinha escondida debaixo do banco do carro para que sua mulherzinha não descubra.

O segundo Paulo Henrique:
Professor em outra cidade, coroa sem charme e beleza. Casado, com filhos e cheio de amantes por fora. Com ele é só pagando, pois o bicho é feio!

O Henrique:
Estava apaixonado, mas cheio de preocupação com minha vida, que na época, não andava fácil. Pedi a ele um tempo para eu me organizar e resolver situações críticas que eu passava, incluindo problemas com grana e alimentação. Ele não aceita esse “tempo” que pedi e me condena por recusar ser seu namorado. Tempos depois, ele começa a namorar e a falar mal de mim para seu namorado, que espalha a fofoca sobre eu ser garoto de programa e fazer ponto na rodoviária. Nunca mais falei com ele. Ah! Ele quando me conheceu, estava namorando outro cara.

São três nomes de pessoas que já me envolvi e não deu certo. Pessoas que, pra mim, não podem ter esses nomes, pois sei o resultado no final de tudo. Como eu disse, Paulo Henrique e Henrique são os nomes mais comuns que o povo diz ser de gente “tentada”, agora, Marcelo, eu acrescentei na lista por experiência própria.

Alguém me apoia ou é contra essa minha teoria?

#HiagoWaldeck

 
Leia Mais ►

domingo, 3 de novembro de 2013

SEU TEMPO COMIGO JÁ ACABOU FAZ TEMPO!


A última vez que nos encontramos foi há uns cinco anos atrás, mais ou menos. Lembro-me que estava quase que recém-chegado na cidade e na época, viciado em salas de bate-papo. Conheci o Luciano, cara maneiro e cheio de vida. Ele morava aqui na região e sempre me levava para sua casa, onde tínhamos nosso momento de sexo. Eu gostava dele, não só na cama, mas como pessoa. Como não é novidade, ele queria somente sexo, sem compromisso emocional, mesmo que envolva amizade. Com o passar do tempo ele se afasta, não me atende e nem responde no MSN. Ele havia sumido!

Estava na rua, andando perdido na madrugada. Acabei encontrando uns amigos de programa fazendo “ponto”. Mas não parei com eles muito tempo. Essa fase de putaria na rua, pra mim, já passou. No caminho um carro passa perto e vejo que o motorista me olhava. Eu estava andando quase que junto de uns cadetes e, na hora, achei que tivesse olhando os garotos, e não eu. Os garotos passam por mim e o carro encosta, buzinando para que vá até ele. Chego na janela do carro e já o reconheço, era o Luciano. Ele me convida para uma volta. Eu aceito. Percebi que ele não se lembrava de mim, pois começou com um papinho de “apresentação”, como se estivesse querendo me conhecer e saber sobre mim. Comecei a achar graça, pois eu me lembrava dele muito bem. Demorou um pouco, mas ele acaba se recordando de mim, lembrando da tatuagem que tenho nas costas. Elogios não faltaram, a todo o momento dizendo que eu era simpático. Hahaha, já sabia onde isso ia parar.

Acabamos indo para o motel. Antes já tinha avisado que não faríamos nada e ele concorda. Conversamos, ficamos à vontade e ele me apertando tentando me seduzir. Confesso que o tesão que eu sentia acabou na época que ele me dava “gelo”, hoje, resolvo sair só por diversão, mas não com ele e, sim, com a cara dele. Ele teve a chance, mas desperdiçou. Disse que na época estava na fase de rebeldia e hoje se encontra mais maduro. Tá, sei... Ah, como ele me elogiou dizendo que estava bem mais bonito e diferente de antigamente, há 5 anos atrás quando era magrelinho e esquisito, usei disso para me “valorizar”. Na boa, se eu estou sendo tudo aquilo que me disse, por que eu sairia com alguém feito ele? Não disse isso, mas tentei fazer com que pensasse assim.
Lado Bom: Ele queria passar à noite comigo. Eu menti que tinha visita em casa me esperando.
Lado Ruim: Não gostei de seu beijo, não gostei do seu pinto e de nada que veio dele. Teve certos momentos que começou a lamber minhas costas e eu até gostei.  Mas agora quando cheguei em casa, estava fedendo pura saliva. Que nojo!
OBS: O estranho é que, antigamente eu era apaixonado pelo seu beijo, pinto e tudo que vinha dele. Bom, isso antigamente.

 
 
Terminou numa punhetinha rápida. Não estava mesmo a fim de algo com ele. Anotei seu número de telefone, mas sem garantia de que eu vá ligar. Ele até me pediu desculpas pelo que aconteceu no passado, me garantindo ser melhor agora. Hum, acredito! Resende surpreende haha.

Leia Mais ►