domingo, 22 de dezembro de 2013

MELHOR DA SEMANA: "AMOR DE CARNAVAL"

Há exatamente cinco anos atrás, quando ainda estava recém-chegado aqui na cidade, conheci o Fe, que acabou sendo o meu primeiro ‘amor de carnaval’. Se me pedissem para comer um caminhão de merda por ele, eu comia. Era apaixonado, fascinado, louco por ele. Foi no carnaval de 2008 que o conheci, foi meu primeiro carnaval na cidade, um dia que nunca me esqueci. Lembro-me que no dia, estava na rua com um amigo e vi o Fe de longe. Era impossível não ficar admirado com sua forma física e beleza, alguém másculo e bem discreto. No que tinha o visto parado na rua olhando a banda que estava tocando no palco, logo pensei que seria muita sorte ficar com alguém feito ele. Na época ainda não sabia diferenciar quem são e os que não são gays, então, ele estava sendo alguém que eu achava ser hétero. Depois de muito admirar, resolvi ir embora com meu amigo. Os carnavais aqui na cidade nunca foram animados. No caminho de casa, meu amigo resolve mexer com o rapaz que estava na nossa frente, e pra minha surpresa era ele, o Fe. Eu fiquei com medo de ele nos bater, sei lá... Mas não foi isso que aconteceu e ele começa a dar liberdade para as investidas de meu amigo. Juro, fiquei me remoendo de inveja quando meu amigo vai atrás dele, depois de perceber que ele havia gostado das indiretas que mandava. Como ficaria sozinho em casa, resolvi dar mais um tempo na rua, até que, para a minha surpresa, meu amigo vem atrás de mim e diz que o Fe estava a fim de ficar comigo. Bingo!!! Ganhei minha noite.
Passamos três dias em sua casa. Três dias trancados e fazendo sexo. Nossa, estava muito bom, estava o curtindo muito. Eu bem que tentei ir embora, mas ele não deixava, e eu, adorava a situação, pois ele estava sendo o primeiro carinha Top de linha que estava ficando e que estava me desejando.
Nos tornamos amantes, ficando quase que com frequência. Mas com o tempo perdemos contato e ficamos um bom período sem nos falar.

Esses dias eu andei o encontrando pelas ruas e a saudade bateu forte. Tentei me aproximar, mas não deu. Até que, pra minha surpresa, acabamos nos encontrando pela internet e começamos a conversar. Resumindo: Eram 2hrs da manhã, acabei pegando um táxi e indo para sua casa. Eu achei que muita coisa tinha mudado e amadurecido. Só que, não. Chegando lá, continuamos do mesmo jeito que éramos antes, com os mesmos papinhos bobos, jeito de criança e atitudes paranoicas. Não estou criticando, porque foi exatamente isso que rola entre a gente que me fez ficar ‘xonado’ por ele. Ele está bem mais forte e encorpado. O mesmo disse sobre mim, que acabou comendo minha bunda e me aconselhando de dar aos outros, ainda mais agora que está grande rsrs. Foi bom poder conversar e ouvi-lo falando da época que eu era magro, tinha a barriga reta de tão seco que eu era, do nosso encontro no carnaval, nossos dias trancados dentro de casa, dos meus pelos do peito que ele gostava e hoje não tenho mais, da minha cara de bandido, enfim, de tudo de bom que aconteceu naquele dia. Ficamos uns três ou quatro anos sem nos vermos. Foi bom encontrá-lo, apesar de que, não estava a fim de comê-lo, mesmo assim, ele acaba me traçando haha.


2 comentários:

  1. oi Hiago gosto dos seus relatos, acho interessante como as coisas acontecem de forma quase facil pra voce, nao te conheço mas pelo que voce diz é como se voce tivesse um magnetismo pessoal, esse Fe parece ser top, e ele te corresponde, com certeza ele te satisfaz, acho bonito a paixão de voces. queria ter essa sorte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahh, sorte mesmo seria se eu estivesse amarrado em alguém rsrs.

      Excluir

Fala que eu te escuto