domingo, 25 de maio de 2014

46º E 47º DE 365 DIAS: THE NOITE COM HIAGO

Mesmo ele sendo casado, com filhos e alegar nunca ter tido um relacionamento mais a fundo com outro cara, ele até que se saiu bem quando permite que eu chupe sua bunda. Chegamos ao motel e ele logo cai pra dentro do banheiro para tomar banho. Ele estava em seu horário de serviço, mas tirou um tempo para se divertir. Já havia saído com ele antes, mas só tinha rolado sexo oral. No quarto, depois de tomar banho, eu estava deitado esperando que ele começasse a se insinuar ou demonstrar o que estava querendo fazer, mas ao invés disso, ele deitado, pelado, resolve me pedir ajuda para conectar seu telefone na internet (???). Comecei o chupando e mesmo assim ele não largava o telefone (típico de caras héteros). Incomoda um pouco, mas fazer o quê? Depois de chupar seu pinto e descer para suas bolas, resolvi ser mais ousado e tentar algo que ele nunca tinha feito, aos poucos fui passando a língua em suas bolas descendo para sua bunda, passando a ponta da língua na portinha de seu buraquinho. Não teve como negar, ele havia gostado.
Lado Bom: Ele se deita, deixa esfregar meu pinto em sua bunda, bater na portinha, mas não penetrar. Quando ele me comeu foi com força, sem me dar a chance de me esquivar por causa da dor que sentia. Estava seco, pouco lubrificado, enfiou com tudo como se fosse uma vagina que estivesse comendo, ele perguntava se queria que parasse, eu dizia não! Estava ardendo, mas estava aguentando.
Lado Ruim: Como era de se esperar, depois que gozou ele se levanta para se lavar e eu fico sem gozar. Esperava no mínimo um pouco mais de prazer. Como eu disse, não é por eu estar sendo pago que tenho de sair sem gozar. E outra coisa chata é quando se está chupando alguém e o mesmo não tem aquele impulso de segurar sua cabeça, forçando você engolir seu pinto e engasgar com ele. Agindo assim dessa forma seca, parece que não estava sentindo nada, sabe?


Às vezes quando vou me encontrar com alguém, sinto aquele frio na barriga como se fosse meu primeiro encontro. Fico gelado, corpo treme e chega ao ponto de meus dentes baterem um no outro de tanto nervosismo. Com o Gian acho que estava sendo a mesma coisa, mas não da minha parte, mas sim a dele. Nosso papo desenrolou legal, vi nele um futuro amigo que em poucos que saio cheguei a ver. Bom de papo e preserva uma boa discrição. Ele me busca e me leva até sua casa, onde o combinado era não perder tempo e fazermos tudo “rápido”. Ele não é experiente, então, acaba ditando algumas regras e me pede ajuda para que o guie da melhor forma para que o sexo desenrole. Nem precisou, pois ele manda bem. Em toda a transa ele ficava tremendo, cheguei a pensar que fosse algum problema que tivesse, mas não, era nervosismo. Mesmo sendo marinheiro de primeira, ele se deixou levar quando aos poucos vou passando a língua em seu cuzinho o deixando arrepiado e tendo uns tremeliques na hora. Perguntei se estava bom, e ele me disse que era uma sensação diferente. Ficamos um bom tempo nos agarrando e ele a fim de me penetrar, mas não rolou. Não estava preparado pra ser passivo, pois no momento em que ele me liga, eu tinha acabado de sair do banho, e como não sabia que seria procurado, não fiz minha higiene íntima, sabe? A parte gostosa foi quando fomos para a cozinha, encostados na janela com ele fumando e eu passando a cabecinha do meu pinto em sua bunda que estava cedendo e quase recebendo meu pinto dentro,  e pelo que me disse, seria o primeiro. A situação estava gostosa, tanto de vê-lo fumar quanto o “penetrar”. Naquele momento queria apenas ficar daquele jeito, pelados e agarrados na cozinha.


2 comentários:

  1. Adorei a postagem Hiago. Gosto quando vc conta com detalhes como foi a noite. Muito bom, sucesso pra vc.

    ResponderExcluir

Fala que eu te escuto