terça-feira, 19 de agosto de 2014

78º DE 365 DIAS: NA MINHA ÉPOCA NÃO ERA ASSIM

A “brincadeira” do sexo no dia do meu aniversário acabou me rendendo e muito! Só na noite passada, recebi mais (muito mais) de duas mil mensagens pelo Whatsapp. Tive que desativar minha internet para poder ver as mensagens e responder com calma cada uma. A única coisa que não agradou, foi a participação de crianças menores de idade me ligando e mandando mensagens querendo fazer parte do grupo das 27 pessoas. Dentre elas, estão meninos e meninas, que mal saíram das fraudas. Teve muita gente me xingando (novidade), desejando mal e até que eu pegue uma doença. Mas são pessoas que, com certeza ficaram admiradas com minha ideia (e coragem) e por não terem peito de fazer isso, me criticam. Mas fiquei surpreso com a quantidade de pessoas que me procuraram. Muitos são de outras cidades e algumas daqui. 

Também teve gente do bem me desejando coisas boas e dando conselhos.



Acabei conhecendo um, que viu o meu “trabalho” e contratou meus serviços.

Eu sou da época em que pai e mãe tinha que sentar com seus filhos e falar sobre SEXO. Apesar de ter nascido num tempo em que este tabu era frequente entre nós jovens, eu nunca tive um conselho sábio de meu pai. Na verdade, acho que, ele menos ainda saberia me dar um bom conselho, não de como penetrar alguém e ter um orgasmo, mas de me guardar e me manter livre de doenças. Conheci um garotinho que acaba de completar dezoito anos. Pouco mais baixo que eu, rosto com espinhas, longe de ser um príncipe. Apesar de ter a certeza de que ele saberia me ensinar muita coisa na cama (pois crianças de hoje em dia já nascem sabendo), acabei ficando com minhas dúvidas sobre ele.

“esses dias, quando estava me protegendo da chuva num ponto de ônibus, vi na minha frente um garoto, conversando pelo celular com sua namorada, combinando de fazer uma TRANSVERSAL DUPLA depois da aula, pois ele estava com tesão. Na hora não abri o Google para saber o que seria isso, mas confesso que, fiquei curioso. Hoje em dia, além de eles (crianças) nascerem sabendo de tudo, já estão até dando nomes a posição sexual que eu, velho de casa, ainda não sei como se faz”.

Achei que seria mais um que eu iria dar ordens do tipo “faça isso” ou “chupe com mais força”, mas, não. Não precisei dizer nada para que pudesse me agradar, pois não existe coisa mais chata do que fazer sexo de um jeito como se estivesse cantando as posições como num jogo de bingo. Ele, apesar de novinho, sabia exatamente onde tocar, a intensidade que deveria apertar e velocidade que deveria me masturbar. Mãos de fada? Que nada. Parecia uma mulher, pela delicadeza com que segurava meu pênis. Estava tão empolgado, que comecei a ficar “molhadinho”. Meu pau babava (coisa que nunca me aconteceu assim, dessa forma) e ele, com cuidado, limpava a cabecinha, e lambendo os dedos, engolia a babinha. Achei que eu seria o lobo mau e devoraria o pobre garotinho. Me enganei. Ele estava com mais fome que eu e acabou me devorando. Enquanto eu subia com calma por cima dele para não esmagá-lo e machucar, ele encaixava seu pinto na minha bunda e, com força, acabava forçando a penetração, SEM LUBRIFICANTE. Foi tenso, mas gostoso. Ele me beijava e trocávamos de posições várias vezes. E todas elas naturalmente, sem regras a serem seguidas. No fim das contas, acabei gozando três vezes junto com ele.
Lado Cômico: Quando ele marca e vejo ser alguém novo, a primeira coisa que pensei foi: “com que dinheiro ele vai pagar o programa comigo?”. Será que a mãe dele sabia que ele estava usando o dinheiro de pagar as contas de casa para sair com putas (os) na rua? Sim, muitas pessoas fazem isso.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fala que eu te escuto