domingo, 11 de janeiro de 2015

MELHOR DA SEMANA

Pela madrugada, quando não tenho nenhum compromisso, acabo dando uma voltinha pelo quarteirão quando está muito calor ou quando estou sem sono. Desse jeito acabo me cansando rápido, chego em casa e pego no sono. Sendo assim, procuro ficar bem à vontade: chinelo, bermuda e uma camiseta bem leve. Sem nada marcado, acabo recebendo o chamado do Japa, que estava chegando em Resende, vindo de uma viagem. Eu teria que ir para casa, me arrumar e me preparar para encontrá-lo, mas ele fez questão que saísse com ele do jeito que eu estava. Ele mora perto de mim, acabei indo para sua casa.
É muito bom encontrar alguém que tenha o encaixe perfeito na hora do sexo. Acabei me entregando de corpo e alma para ele, um japinha muito louco. Apesar dos mitos e lendas que regem sobre este povo, acabei me surpreendendo até mesmo com o tamanho do dote, que muitos afirmam ser bem pequeno. Não era o caso dele. Me senti como se tivesse ganhado um palito premiado da Kibon, pois o rapaz era bem avantajado. Deitado de frente a ele, levantei uma de minhas pernas sobre seu ombro e dobrei a outra sobre suas coxas. Nesta posição ele acaba me penetrando ajoelhado. Ele teve livre acesso para ir me estimulando na masturbação, alisando meu corpo e conduzindo minhas pernas na hora de penetrar. Ele me pareceu bem experiente no assunto, me ajudando a descobrir uma posição estimulante, que realmente me deixou excitado. O meu corpo estava bem lubrificado com muito óleo de amêndoas, o que ajudou suas mãos a deslizarem bem melhor sobre mim. E a contração do meu músculo anal aumentava ainda mais meu prazer e o dele, fazendo com que a gente goze duas vezes na mesma posição.


Um comentário:

Fala que eu te escuto