quarta-feira, 1 de julho de 2015

SOU FEIO, MAS TÔ NO COPA!



Como puderam perceber, este fim de semana estive hospedado no Copacabana Palace. Já me sinto como se fosse de casa, pois até os funcionários me reconhecem de outras vezes que frequentei o lugar. Como a recepcionista do restaurante, que me olhou nos olhos e disse: “te conheço de algum lugar. Ah, você veio aqui jantar com a gente outra vez, né?”. O tratamento do Copacabana Palace melhora a cada dia que passa. Sinto-me lisonjeado por dizer que fui um dos que passaram pelo lugar.
Fui tão bem tratado, que até recebi a companhia de um dos funcionários em meu quarto. Não vou poder entrar em detalhes, pois isso pode o prejudicar. Eu o vi no hotel, e após ele me cumprimentar, aconteceu aquela troca de olhares que não te deixa dúvidas de que a pessoa quer te comer. Ele confirma isso depois de acariciar seu pau disfarçadamente enquanto me olhava. Não deu outra, o funcionário do Copacabana Palace acabou indo parar em meu quarto. Foi uma delícia! O chupei muito e recebi uma gozada na boca.





No fim da tarde, fui de encontro com meu cliente milho (milionário) que estava a fim de me levar para uma casa de sexo. Pra mim ele iria me levar em uma casa de orgia 5 estrelas, só que, não. Ele me levou para um cinema pornô, onde ele tinha a fantasia de ver e incentivar outras pessoas a transar. Estava sendo mais uma companhia para ele, só par não ficar sozinho e fazer o que quisesse comigo. O cinema pornô fica na Cinelândia, centro do Rio. O lugar tem pouco requinte. Pra ser sincero, não tem classe nenhuma. Quando entrei com meu cliente, só conseguia ver o filme de sexo que rolava na tela, pois ao meu redor estava tudo escuro. Mesmo acompanhado, algumas pessoas se aproximaram e começaram a me alisar, mas nem o rosto delas eu conseguia enxergar.
Com o tempo minha visão foi clareando e pude enxergar um pouco melhor o ambiente. Me senti num asilo, pois tinha muita gente velha (tipo, de 55 pra cima) no local.  Meu cliente estava nervoso, ansioso, sem saber o que fazer. Eu o pego pelas mãos e o levo até uma imitação de Dark Room, pois estava bem longe de ser uma de verdade. Era um quartinho bem pequeno e muito escuro. Ali, sua bunda, boca e pinto não tinha dono. Era de qualquer um que chegasse. Meu cliente me obrigou a ficar com tanta gente, que até perdi a conta de quantas pessoas me chuparam, e de quantas eu chupei.

Cheguei a dar para dois caras lá dentro. Um foi o coroa que estava encostado na parede se masturbando. Meu cliente percebeu que ele estava me alisando, me vira de costas pra ele e abaixa minha bermuda. O coroa estava de sacanagem, o cara não tinha um pênis, ele tinha um tubo de Rexona dentro da cueca. Quero dizer que, seu pinto era enorme e grosso! 
E o outro foi um garoto. Rolou afinidade entre a gente, e foi um dos melhores que peguei lá dentro.
Estava tão escuro e a sacanagem rolando solta, que todo mundo que passava e me via com o pau de fora, parava pra me mamar. Incluindo dois travestis e uma mulher, que estava acompanhada de seu marido e curtia uma putaria assim, e ver seu marido comendo e sendo chupado.

Ficamos um bom tempo lá dentro e saímos satisfeitos. Eu pelo menos gostei de ser incentivado por ele a chupar quem passava perto e das vezes que ele mesmo introduziu o pênis dos rapazes em mim.

Depois que voltei para o hotel, fiquei umas duas horas tomando banho, pois você sai do lugar impregnado e cheirando a sexo. Ainda fui dar uma volta pela praia de Copacabana e acabei fechando minha noite com uma figura maravilhosa que conheci. Bonito, educado e um pouco louco. Ficamos andando juntos pela praia. 



2 comentários:

  1. Você é inspiração para outros gays

    ResponderExcluir
  2. Não deixe que os outros tirem proveito de você. Curta e gaste contigo mesmo. Os que te procuram, são por interesse pelo que conquistou. Cuidado

    ResponderExcluir

Fala que eu te escuto