quinta-feira, 22 de março de 2012

A MULHER DENTRO DE CADA UM

Como estava mais uma vez livre e desimpedido retomei minha rotina de garoto de programa. O cliente desse dia me surpreendeu e muito, à noite quando estava no calçadão fazendo programa havia um “curioso” do meu lado, ele era de São Paulo e estava na cidade para apresentar um trabalho em grupo em uma escola da cidade. Ele era loiro, branquinho e olhos claros, ou seja, perfeito! Ele acabou sendo uma companhia para mim enquanto estava na rua. Ele estava à procura também, só que para o meu azar, ele só curtia gente velha, velha mesmo!

Do outro lado da rua para um cara em uma moto e começa a nos olhar de longe, na hora eu pensei “com esse cara loiro e lindo do meu lado não tenho nem chance”, na hora nem dei ideia, pois achei que não fosse comigo. Nesse lugar onde ficava tem um orelhão, como é um ponto de prostituição, pessoas já sabiam o número desse telefone e ligavam para lá, assim perguntavam quem eram as pessoas que estavam por lá e assim fazia a seleção de garotos e travestis, era assim que na maioria das vezes recebia ligações de casais e pessoas a procura de sexo. Quatro dias depois estava sozinho no ponto, o telefone toca e lá vou eu atender, do outro lado da linha o rapaz me pergunta:

- Você estava no ponto um dia desses com roupa assim, assado e com um outro rapaz?

Eu respondo:

- Sim, era eu mesmo.

Ele:

Estava te procurando, liguei para o telefone na intenção de te encontrar, pois aquele dia eu parei de moto do outro lado da rua achando que você fosse, mas acho que não quis.

Era ele, o rapaz que havia parado de moto quando estava com o meu “colega” do lado. Eu até comentei,

- Tem certeza de que sou eu mesmo que você quer? Sou moreno e não loiro como deve estar achando (pois achei que estava me confundindo com o loiro que estava do meu lado).

E ele me diz:

 - É você mesmo, o moreno que eu achei bonito e queria sair.

Nisso ele marca um encontro, queria que eu o esperasse em um parque perto de onde estava e que logo chegaria e sairíamos. No local marcado fico esperando, mas para complicar encontro com um amigo meu, ele estava fazendo pegação nesse parque e quando me viu não desgrudou de mim, eu comentei que estava esperando cliente para que ele se tocasse e deixasse-me sozinho, mas o corno não se manifestou e quis ficar comigo esperando o cliente, talvez tenha achado que faria parte e ganharia algum dinheiro nas minhas costas. Isso acabou me atrapalhando, pois o cliente me viu ao lado desse meu amigo e passou direto, depois me ligou dizendo que não queria alguém perto de mim quando me encontrasse. Depois de muito tempo ele saiu do meu pé, tive que dizer que quase perdi o cliente, aí ele se mancou e vazou.

Quando me encontrei com o cliente fomos a um lugar público, uma praça que ficava escondida entre umas árvores grandes, nos enfiamos no meio dela e começamos nos abraçando. Ele parecia ser um homem discreto e nada afeminado, até soltar a mulher que existia dentro dele. Quando o encostei na árvore de costas para mim, ele empina sua bunda e começa a rebolar me pedindo para fuder ele, dizendo ser minha mulher, ele começa a ficar e agir como uma mulher, falando fino e gemendo como puta, não tinha jeito de ficar nessas condições, estava sendo constrangedor (para ele). Melhor foi quando ele me chupou, colocando todo meu pau em sua boca e masturbando ele enquanto chupava.

No final acabei gozando em sua boca, com ele agachado abraçando minhas pernas com o pau na boca. Na maioria das vezes quando esporro alguém, prefiro que seja espirrando na boca, mas com meu pau fora, não gosto de gozar com alguém me chupando. Fora a vergonha que eu senti de ficar com ele agindo desse jeito, o melhor que ele me ofereceu foi seu boquete, sabe como chupar um pau de verdade, mas fora sua apresentação (nota zero), detestei quando me veio toda mulherzinha querendo ser comido.

Um comentário:

Fala que eu te escuto