20 fevereiro 2013

AMIZADE SEM MALDADE. MAS SEMPRE TEM UM QUE SE INCOMODA COM ISSO.



Ontem aqui nas ruas de Resende, vi uma cena que em muitos lugares seria algo discriminado. Vi dois amigos gays (se percebia pelo jeito) andando agarrados pela rua enquanto um deles falava ao telefone. Sei que eram amigos, pois namorados teria um clima mais de “apaixonados”. Olha, chega a ser uma evolução andar tranquilo pelas ruas dessa cidade de mãos dadas com alguém do mesmo sexo sem receber alguma crítica vinda desse povo que só pensa no mal dos outros, teve um dia quando estava na rua de madrugada , vi alguns travestis correndo, pois atrás delas estava vindo um grupo de garotos com pedaços de pau querendo as espancar. Vi o quanto o mundo ainda precisava crescer, pois os garotos achando que fazendo isso, estariam honrando sua masculinidade e sem contar que um dos agressores, é meu amigo!

Outra situação foi quando vi um casal andando todo apaixonado pela rua e também, de mãos dadas. Minha vontade foi de chegar perto deles e dizer para tomarem cuidado para não serem agredidos.

Vendo estes amigos ontem passeando coladinhos, me fez lembrar um dia quando estava nessa mesma situação. Acho que foi a única vez em que eu me expus dessa forma.

Tinha conhecido um rapaz através de um amigo, este meu amigo era apaixonado por este cara, que acaba ficando comigo. Não sei se foi traição da minha parte, eu cheguei a me interessar por ele e sabia que não tinha chance alguma do meu amigo e ele ficar. Pra evitar uma “traição” e muita chateação, começamos a ficar algumas poucas vezes escondidos. Uma das vezes que ele veio pra Resende me ver, ficamos num barzinho logo perto da ponte, que liga o “calçadão”, ficamos sentados nos fundos, que dá para a rua de trás e uma vista para o rio Paraíba. Estávamos sentados e conversando, trocando elogios e muitas coisas boas naquele momento, do lado de fora havia umas pessoas e alguns gays por perto, que ficaram nos observando. Estávamos sentados de frente um para o outro e por debaixo da mesa, de mãos dadas. Eu não estava a fim de me expor, estava sem graça com a situação, mas ele nem ligou e continuou, até uns beijinhos rolou ali, mas nada exagerado, somente selinhos.

Onde estávamos fica perto do banheiro e toda vez que alguém passava para ir, nos via naquela situação com as mãos grudadas. Teve uma menina que fica parada na porta do banheiro nos admirando, eu fiquei sem graça e abaixo a cabeça dando uma risada bem envergonhada, ela por sua vez nos olha e literalmente nos dá os parabéns, dizendo ter achado uma situação bonita. Das duas uma, ou era sapatona ou então alguém muito descente que não tinha um pingo de preconceito.

Nada contra, mas eu acho que chegou sim a ser algo bonito de se ver, pois naquele momento estavam dois homens, duas pessoas discretas e nada de reboladas ou vozinhas finas. Eu mesmo quando vejo outros na mesma situação que eu, acho bonito. Depois que ela nos viu os outros que resolveram ir ao banheiro também ficou nos olhando, mas ficaram na deles tentando disfarçar.

Ao ver estes garotos, na mesma hora me recordo do dia em que fiz isso, me fez lembrar também de meu amigo, que éramos grudados, mas não andávamos tão juntos a ponto de ficarmos abraçados desse jeito.

OBS: Deve estar se perguntando por que comecei o assunto. Simplesmente por nada, me deu vontade!
Anterior Proxima Página inicial

0 Comentários:

Postar um comentário

Fala que eu te escuto