sábado, 16 de novembro de 2013

FODA-SE!!

Eu estava com tudo preparado para comentar sobre minha semana "fodastica" com meus clientes, amigos e afins, mas algo chamou minha atenção e me fez mudar de ideia, a fim de comentar mais uma vez sobre o preconceito que rola na região.

Juca marca um encontro comigo. Por telefone, ele não esconde seus problemas de saúde e assume ser portador do HIV. Fiquei sem saber como reagir a isso, sem saber se vou ou não vou. Joguei limpo e disse que estava com receio, porque mesmo usando camisinha, pode, sim, acontecer acidentes indesejáveis. Ele diz que não preciso trepar com ele, que uns beijos estaria de bom agrado. Fecho o negócio com ele e combino o lugar que nos encontraríamos. Aí ele me revela que não queria ser visto comigo, por medo de ser mal falado na cidade. Juro, não entendi seu medo de ser visto andando com um garoto de programa na rua, sendo que ele, com HIV, pra mim não faria diferença de ser visto ou não comigo. O meu medo foi do contato sexual com ele e não de ser visto com um aidético na rua.

Se eu voltasse no tempo, na época em que passei necessidade e pedisse ajuda a estas pessoas que hoje me condena, será que eles me ajudariam? Criticar uma atitude de alguém que faz as coisas por necessidade é fácil. Não me envergonho de ser o que sou, porque foi isso que impediu que eu passasse fome. Estou cagando para a opinião das pessoas daqui, que se for de analisar bem, são pessoas com o passado bem mais negro que o meu, e hoje, aponta em mim defeitos que estão neles. Me criticar por fazer programas e ter a imagem "queimada" é fácil, mas e você, que vai para a balada e pega 6 na mesma noite, se acha melhor que eu por ter feito putaria e agido com promiscuidade sem cobrar nada? A pessoa que me critica, é a mesma que fez ponto na rua, a mesma que tem AIDS, a mesma que sofreu bullying  pelo seu jeito afeminado, mas mesmo assim, não satisfeito, quer deixar de ser o centro das atenções e falar mal de outros.

Racismo: Esta semana tive uma surpresa ao ver pessoas aqui na região com atitudes racistas. Na verdade não chega a ser surpresa, pois é algo que já espero de pessoas aqui. Com a modernidade nos aparelhos telefônicos, acabei conhecendo vários aplicativos de celular, incluindo o Zello, que funciona como se fosse um Rádio Nextel e você pode manter contatos com pessoas e grupos de todos os lugares. Adicionei um grupo de Volta Redonda e para a minha surpresa, me fez ter mais nojo das pessoas. Um dos usuários cria uma conta e coloca a foto de uma criança pequena e negra no perfil. Esta mesma pessoa ataca as outras com piadas e palavras de racismo, dizendo sentir nojo de quem é negro e afirmando que em Volta Redonda tem muitos "pretos" e que sentia pena por serem assim. Eu deixei o som deles ligado, pois achei ridículo o que eles estavam fazendo e, ouvir cada palavra de preconceito, foi bom para eu não me esquecer da raiva que sinto destas pessoas.
O que isso iria acrescentar na vida deles? Entrar num grupo com fotos de criança agindo com preconceito não o fez melhor que ninguém, que pela voz, percebia que se tratava de dois rapazes gays (falava muito mole) e crianças, pois falava e agia como tal.

Uma pessoa que defende o direito das outras, que defende quem realmente precisa, esta sim, eu sentiria vergonha se viesse me dizer algo, pois este tipo de pessoa são as que tem moral para falar das outras. Mas não fazem, pois estão cuidando de suas vidas.

Você que tem vergonha de andar com um garoto de programa ou até mesmo um negro na rua, saiba que em algum lugar, tem alguém com o mesmo pensamento que o seu sobre você, pois tenho certeza de que sendo gay, seu passado te condena tanto quanto o meu e isso não me faz melhor. O gay já sofre preconceito todos os dias, agora a porra de um viado com preconceito e vergonha de outro, é sacanagem. Na boa, tem momentos que sou a favor de tacar lâmpadas na cara de alguns! Ao invés de falar coisas na intenção de ajudar ou protestar contra estes otários que agem com preconceito, não, eles preferem atacar e falar mal de quem ganha a vida de uma forma honesta e sem prejudicar ninguém.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fala que eu te escuto