quinta-feira, 28 de agosto de 2014

ADORÁVEL PSICOSE

Logo imaginei que um cara casado, não ia querer nada além de uma trepadinha pra descontrair seu casamento hétero. Mas acabei me deixando levar, pois ele, era alguém que eu estava de olho faz tempo. Ele também tinha o desejo de ficar comigo. Logo percebi no primeiro dia que nos vimos, ele me olhando, sem disfarçar que estava interessado. Acabamos nos "esbarrando" na rua, ele pede meu telefone e trocamos conversas. Sempre depois que sua mulher caía no sono. Algo que sou exagerado, é em levar ao pé da letra o que me dizem. Ele me diz:

- Sou vidrado na sua! Quero ter alguém comigo que troque carinho e entenda meu relacionamento. Me senti muito atraído por você.

 Ele foi um perfeito poeta quando me escreve coisas bonitas a fim de chamar minha atenção. Mas sendo casado. Humm, fica difícil de acreditar.  Depois de tê-lo levado pra minha casa, termos ficado e tranzado, ele agiu exatamente como imaginava. Nossa brincadeira na cama foi gostosa, ele me chupou por inteiro, me dando um banho de língua na minha bunda. Ele sabe e gosta de chupar um cu. Depois de trocarmos até saliva (coisa que fazia só com meu ex-namorado), ele goza na minha boca. Soube ser agressivo e mandão na hora certa.
Com tanto romantismo, esperei ansioso que me ligasse dia seguinte dizendo que eu ainda era lindo e perfeito. Esperei, pois sabia que isso não iria acontecer. Disse na cara dele que, por ser casado, não acreditava nas suas juras de amor. Dito e feito. Dia seguinte ele não me liga, não me procura e nem manda um "oi". Aconteceu o que imaginei. Ele conseguiu o que queria, não iria ligar mais. Eu, com raiva e a fim de "perturbar", fui cobrá-lo e saber o motivo de não falar comigo. Não estava fazendo questão dele, só queria provar que, aquele carinho e atenção era de faixada. Resumo da história: conseguimos brigar por conta disso. Ele diz que se sentiu magoado por eu ter duvidado dele. Me sinto melhor agora. Meu sexto sentido estava certo desde o primeiro momento que ele me abraça e eu sinto que havia algo errado.  Só queria provar ( a mim mesmo) que o tal homem perfeito não existe.
Lado Bom: A parte boa de ele ter entrado na minha vida, só valeu pra fortalecer a ideia que, a melhor coisa que continuo a fazer, é ficar sozinho. Rsrs.


Uma lei que proíbe o uso de bonés e capacetes quando estiver entrando no banco. Eu nem sei se isso foi aprovado, mas me incomodou muito quando fui “barrado”. Diariamente, quando exerço meu trabalho no período da manhã, chego a ir ao banco depositar o dinheiro. Nunca tive problema algum em entrar de boné. Até mesmo porque, o pessoal da agência já me conhece. Ontem, quando fui ao banco, o guarda pediu que eu virasse meu boné, pois estava em uso a lei que proíbe usá-lo dentro de estabelecimentos. Na hora disse a ele ser uma tremenda bobagem, mas virei meu boné, me sentindo ofendido, mas virei.

Resende, onde moro. Uma cidade onde o atual prefeito só soube fazer mudanças no trânsito e construir obras desnecessárias, teve o mandato cassado por estar roubando, e ainda teve a coragem de candidatar sua mulher para que continue com o seu legado (e aposto que vários analfabetos vão votar nela), pôr em práticas leis que proíbem uso de boné em bancos. Tá de sacanagem, né! Minha amiga, por exemplo, na última eleição votou no atual prefeito, simplesmente por ter tido fartura de alimento na festa que ele deu. Ou seja, ela só foi (e gosta dele) pela comida. Mas tem gente que se vende por bem menos que isso aqui. Sem contar o último prefeito, que também acabou sendo afastado da prefeitura e hoje, tem um posto de gasolina onde nem o combustível vale a pena (diz os próprios empregados).


Tá certo, eu até concordo que alguns Resendenses têm que se fuder, por serem pessoas babacas. Mas vou te falar, “eita” gente burra que gosta de candidatar gente que não presta!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fala que eu te escuto