06 setembro 2014

80º DE 365 DIAS: DAY OF SEX AND BUSINESS


De garoto de programa criticado, passei a ser bem requisitado para trabalhos sexuais e agora, até para ser dono de pequena empresa. O taxista é alguém que soube das minhas idas e vindas dentro de um táxi. Eu senti que ele veio até mim mais na intenção de me ganhar como cliente do que fazer sexo. E foi mais ou menos assim. Ficamos bem íntimos. Ele soube me cativar bastante. Deixou um pouco a desejar na hora do sexo, pois ele tenta me penetrar sem lubrificação e acabou sendo um pouco desconfortável. Mas acabei gozando. Depois do primeiro tempo, ele toma um banho enquanto o aguardava na cama, ansioso para mais uma rodada de sexo. Não teve outra rodada. Ele falava de coisas sem a menor importância pra mim, coisas que desanimavam. Papo vai, papo vem, ele toca no assunto que ele queria chegar. Eu já estava vestido, esperando que me levasse embora, quando ele começa a falar sobre sua ideia. Escrevi há um tempo que não tenho carro, pois se eu fosse de ter, iria querer também um motorista. Sendo assim, ando de táxi. Ele, com sua ideia brilhante, me ofereceu seu ponto de táxi para trabalhar. Não que eu fosse sair por aí dirigindo ou sendo taxista, mas ele estava a fim de me vender seu ponto, seu carro e trabalhar para mim, sendo meu motorista particular e de quebra taxista. Achei a ideia boa, e o valor que ele pedia bem em conta. Eu teria um ponto de táxi, alguém trabalhando pra mim e de quebra, um motorista pra me levar aonde bem entendo. Mas passei a bola. Mal tenho tempo de cuidar da minha rotina, minha vida particular, quanto mais de um ponto de táxi, onde a responsabilidade será beeem maior. Iria ganhar dinheiro com isso, até queria mesmo abrir um negócio, mas estava pensando em algo aplicado na bolsa de valores ou algo parecido. Resumindo: algo fácil. De complicado já basta eu! Hahaha.


Anterior Proxima Página inicial

0 Comentários:

Postar um comentário

Fala que eu te escuto