08 abril 2015

EU NÃO VIAJO DE BOBEIRA, EU VIAJO PRA FECHAR NEGÓCIO!


Mês que vem tenho uma maratona de viagens marcadas, uma delas sendo pra fora do Brasil. Quero aproveitar (mesmo com esta crise e o dólar alto) e tirar uns dias de folga. Assim aproveito e finalizo o livro. Mas claro, também estou indo viajar a trabalho. Pois eu não viajo de bobeira, eu viajo pra fechar negócio.
Não dá pra negar que os últimos acidentes aéreos que vem acontecendo me assustou bastante. Avião é considerado o meio de transporte mais seguro, mas depois de alguns incidentes, fico com medo de pegar um helicóptero ou avião de novo. Parece que um acidente puxa o outro, e quando vejo, todo dia uma tragédia nova.

Fico imaginando o dia que vou entrar em um avião e o piloto vai dizer a todos: “Senhores passageiros, sejam bem vindos ao voo. Em nome da Transparência Airlines, pedimos sua atenção para algumas instruções de segurança. Primeiramente gostaríamos de parabenizar os corajosos passageiros situados no fundo da aeronave, já que em caso de acidente sua chance de sobreviver é a mínima possível. Durante a decolagem, o encosto de sua poltrona deverá ser mantido na posição vertical, ou não haverá possibilidades de evacuação, uma vez que as poltronas da classe econômica são tão apertadas que impossibilitam a mobilidade dos passageiros em caso de emergência. Se sua segurança fosse uma de nossas prioridades todos os assentos deveriam estar no sentido contrário ao movimento. Metade do ar da cabine é reciclado. Isso significa que enquanto economizamos combustível você poderá sofrer uma queda de oxigênio no seu sangue, o que o fará entrar em constante estado de sonolência. Mantenha o cinto de segurança afivelado durante toda a viagem, ou você poderá ser vítima de turbulência (que apesar de inofensiva, mata cerca de 25 passageiros por ano). Lembramos também que o assento de sua poltrona é flutuante, algo que é praticamente irrelevante se levarmos em conta que a probabilidade de sobreviver a um pouso na água é quase nula (geralmente o avião explode antes de bater na água). Obrigada por terem escolhido a Transparência Airlines, e tenham todos uma boa viagem.”



Acho que estaria mais preparado se eu tivesse ouvido estas verdades em todas as viagens que faço. Meu maior medo acontece quando tem turbulência. No meu voo para Buenos Aires foi muito tranquilo, sem medo e preocupação.  Mas um dia quando peguei um voo para São Paulo, meu avião tremeu mais que Chico Xavier recebendo espírito! Parecia um idoso com mal de Parkinson de tanto que tremia. Depois disso peguei trauma.


Anterior Proxima Página inicial

0 Comentários:

Postar um comentário

Fala que eu te escuto