domingo, 24 de maio de 2015

I CAN FLY



Ainda consigo sentir o frio na barriga por saber que dia seguinte teria de pegar outro voo para mais uma viagem. Aquele nervosismo de saber que terei mais uma turbulência, mas que no fim, iria relaxar em alguma praia desse mundo. Foram os quinze dias mais divertidos e aventureiros que eu já tive. Aprendi muita coisa passando por Porto Seguro, Natal, Punta Del Este, Montevidéu e Gramado.

O melhor de tudo, e que sempre digo, é poder conhecer pessoas e culturas diferentes. Nunca vou me esquecer do Valdomiro, um senhor que acabei conhecendo no avião, na volta de Natal. Eu, como a maioria, tenho medo de turbulência, ainda mais depois de pesquisar vídeos sobre acidentes aéreos. Eu sei, sou idiota em fazer isso. Pra ficar mais relaxado, eu costumo tomar vinho dentro do avião, assim eu fico tonto e durmo mais rápido, e mesmo que eu não durma, eu fico tão “chapado”, que nem sinto quando o avião treme e acabo não tendo medo. Neste dia tomei duas garrafinhas de vinho, e enquanto não fazia efeito, cutuquei este senhor que estava ao meu lado e disse: Desculpe, eu estou um pouco nervoso por causa da turbulência, será que você pode conversar comigo um pouco? Ele sorriu, e me deu atenção à viagem toda. O vinho já tinha começado a fazer efeito. Eu estava tonto, mas muito interessado nas histórias e conversa que aquele senhor acompanhado de sua esposa me contava. Eu me vi na idade dele. Com 60 anos de idade e ainda viajando, e quem sabe dando conselhos para um passageiro mais novo que está sentindo medo de voar.
Lado Bom: Ele achou uma moeda no avião. Ficou por muito tempo com ela na mão, e depois me deu, dizendo que me traria sorte. Juro, fiquei emocionado e senti muita confiança em suas palavras. Não desgrudei da moeda que ganhei, pois acreditava que, além de sorte, eu pudesse absorver um pouco da maturidade, e quem sabe mais experiência de vida deste senhor.
Lado Ruim: Perdi a moeda quando cheguei ao Uruguai. Havia deixado no bolso da calça, mas a arrumadeira quando foi dobrar, deve ter deixado cair.

Outra pessoa que fez diferença na minha viagem foi a Sônia, uma das meninas que trabalham para o hotel Conrad, mas aqui no Brasil. Ela, como as outras meninas, todas parecem modelos da Victoria Secret, de tão lindas e educadas. Ela havia se sentado ao meu lado no voo para o Uruguai. Um amor de pessoa, que nos momentos de pânico no avião, foi me consolando. Conversamos muito, e ela sempre me dizendo: Está tudo tranquilo, ok? Sempre me dizia isso com um sorriso no rosto quando o avião tremia e eu toda hora abria a janela pra ver se estava caindo.

Fiz muitos contatos, conheci muita gente que, depois, me mandaram mensagens desejando sorte, dizendo que sou especial e um cara bacana.  Hoje eu posso voltar pra qualquer lugar do Brasil, pois fiz amizades e sei que vou ser bem tratado. Esta felicidade de viajar e conhecer, é um prazer e algo que todo mundo tem que almejar na vida.

Já estou preparando minhas próximas rotas, o que está incluído um cruzeiro. 

Até lá.

hiagowaldeck@hotmail.com
024 9-9966-5622






4 comentários:

  1. Te acompanho desde o início e sei de todas as suas lutas. O povo que te xingava e te maltratava, hoje em dia devem morrer de inveja por você estar no topo e eles na mesma vida pobre. Parabéns, Yago!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simples, eu só dei a minha outra face pra eles baterem. Não pisei em ninguém. Caráter e humildade é o segredo pra ir longe

      Excluir
  2. Lacrando o cu dos inimigos! Ricoooo

    ResponderExcluir
  3. Vou te matar... Te tanto gozar

    ResponderExcluir

Fala que eu te escuto